segunda-feira

Dilma busca ação conjunta contra crise econômica

A presidente Dilma Rousseff disse, em reunião com presidentes e representantes de dez países da África e América Latina, em Salvador (BA) no último sábado, que vê na crise econômica internacional uma “espécie de repetição” do que chamou de “nossas duas décadas perdidas”. Nesses casos, a recessão, segundo ela, foi imposta como uma saída para todos os problemas.

“Nós ficamos 20 anos no Brasil aceitando, de uma triste forma, que as conquistas sociais fossem paralisadas pela necessidade de reciclagem das dívidas soberanas da América Latina”, afirmou. “Nós sabemos que esse processo não dá certo, ele leva à recessão, ao desemprego, a perdas de direitos, mas não tira os países da crise.”

De acordo com a presidente, só se sai da crise “adotando práticas corretas, práticas que não impliquem no desperdício dos recursos públicos, que impliquem em disciplina, e combinadas com políticas de investimento, de expansão de consumo e de inclusão social”.

No encontro, Dilma conclamou os países da América Latina e Caribe a uma ação conjunta para o enfrentamento da crise. “Eu manifestei minha opinião no G20, em Cannes, a preocupação do Brasil com o risco que a instabilidade, tanto na eurozona quanto nos Estados Unidos, tem sobre nossos países, porque pode prejudicar nossas conquistas sociais e agravar as desigualdades sociais e raciais.”

A presidente lembrou que os países latinos têm “uma longa prática em relação ao FMI [Fundo Monetário Internacional]”, e disse que a experiência não foi boa. “Nós só tivemos a possibilidade de crescer pelos nossos pés quando conseguimos pagar o fundo monetário e, de fato, não ter mais de aceitar as suas proposições”.

No final do seu discurso, Dilma relativizou e disse que “cada país é um país, cada processo é um processo, cada tempo histórico é um tempo histórico”. “Nós levamos 20 anos [para começar a crescer]. Espero que os outros países levem muito menos tempo do que nós”, declarou.

Escravidão
Em Salvador, a presidente participou do encerramento do Encontro Ibero-Americano de Alto Nível em comemoração ao Ano Internacional dos Afrodescendentes. No encontro, foi proposta a criação de um fundo internacional para financiar políticas públicas de compensação e reparação racial em países com formação afrodescendente.

Segundo Dilma, o combate à pobreza, geração de emprego e a proteção da saúde materno-infantil são, hoje, “importantes fatores de inclusão social”.

CASC-PB/NOTICIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário